REDES SOCIAIS  

Notícias

Agente da Polícia Federal, 2015, Hua.

Agente da Polícia Federal, 2015, Hua.

14-03-17 | Depoimentos | admin |

Graças a um trabalho muito bem organizado e a colegas que estavam dispostos a compartilhar seus conhecimentos eu pude chegar a tão sonhada convocação para a ANP.”

A Jornada de Hua (apelido)

A minha jornada nos concursos da Polícia Federal começou em janeiro de 2012, quando soube que já havia um concurso de Agente autorizado e que o edital sairia em alguns meses. A primeira coisa que fiz foi comprar algumas apostilas para começar a estudar para o concurso. Estudava por conta própria, sem nenhuma ajuda e depois de ler um pouco dos assuntos de Direito Penal resolvi fazer a prova de Agente/2009 como uma forma de saber como eu estava. Ao corrigir a prova eu pude ver o quão distante eu estava do meu sonho, pois havia feito cerca de 40 pontos líquidos.

Ao longo dos meses que foram passando eu estudava com afinco e utilizava quase todo o meu tempo livre para me preparar, até que em maio eu fiz a prova e consegui ter a minha redação corrigida e ser convocado para as demais etapas. Consegui a aprovação em todas, mas ao final da primeira fase fiquei como excedente e vi o sonho da ANP ser adiado.

Durante o resto do ano de 2012 eu me dediquei a outras atividades e deixei o estudo de lado, mas não o sonho de me tornar um policial federal. Em janeiro de 2013 eu li que o grupo Missão Papa Fox estava com as inscrições abertas e que as vagas eram limitadas. De início eu não me animei muito com a ideia, pois achei que, por mais que os trabalhos andassem no início, depois de um tempo o grupo ia se dispersar e ficar desorganizado, mas depois de refletir por um dia inteiro a respeito do assunto eu finalmente realizo a minha inscrição e ingresso no Missão Papa Fox. Era tudo novidade para mim, pois nunca havia participado de um grupo de estudos, ainda mais um que organizava simulados. Comecei apenas como um observador, pois depois de meses sem estudar absolutamente nada eu já não estava com os assuntos tão frescos em minha memória. Devo dizer que fui surpreendido com a qualidade dos comentários das questões dos simulados.

Com o passar do tempo eu fui aprimorando meus conhecimentos, até que comecei a ter uma participação mais ativa no grupo, fato que chamou a atenção da moderação e eu fui convidado a me tornar monitor de uma disciplina. Apesar de não me achar preparado o suficiente eu aceitei o desafio e fui o monitor de Direto Penal – Especial até o fim do primeiro ciclo de simulados, quando ocorreu a prova de Escrivão. Por não me identificar com as atribuições do cargo eu decidi não fazer essa prova e me concentrar no cargo de Agente.

Continuei a estudar durante todo esse tempo, até que foi dado início a um novo ciclo, dessa vez voltado para a prova de Agente. Com a retomada dos simulados eu fui ganhando cada vez mais ritmo de estudo e aprendendo cada vez mais com os colegas. Até que, finalmente, chegou o dia da prova real, em dezembro de 2014. Saí da prova reclamando muito da banca, por conta de questões duvidosas, pelo fato de ter introduzido assuntos novos no edital e sequer usá-los como questão, etc. Além disso, saí como quase todo mundo: sem saber direito o que pensar. Não sabia se tinha ido bem ou se tinha ido mal. Só sabia que tinha dado o meu melhor e que agora o jeito era esperar. Quando o gabarito preliminar saiu eu tive uma grata surpresa, pois tinha ido muito bem na prova, mas depois fiquei apreensivo por conta do padrão de respostas da redação Só fui ficar mais calmo quando o gabarito definitivo saiu e vi que eu havia conseguido aumentar a minha nota em dez pontos, além de ter ido bem na redação.

Pelos rankings extraoficiais montados por outros candidatos eu vi que estava classificado dentro das vagas. Foi uma sensação de alívio, pois eu tinha dado o passo mais importante para não ficar novamente como excedente: obter uma boa nota final. Fiz as outras etapas com calma e serenidade, até que finalmente consegui ver o meu nome na lista de convocados para a ANP. Foi como se o tempo tivesse finalmente começado a andar, pois eu fiquei com a minha vida parada desde o resultado do concurso de 2012. Foram quase 3 anos esperando para dar um novo passo rumo ao meu sonho de me tornar um policial federal.

Só tenho a agradecer a todos os envolvidos no Missão Papa Fox, que me deram muitas oportunidades de crescimento. Graças a um trabalho muito bem organizado e a colegas que estavam dispostos a compartilhar seus conhecimentos eu pude chegar a tão sonhada convocação para a ANP. Além disso, ao longo desses mais de 2 anos de grupo, conheci muitas pessoas diferentes, de todos os lugares do Brasil e que, se em 2012 eu estava indo praticamente “sozinho” para a ANP, dessa vez eu irei fazer a matrícula ao lado de vários companheiros que estiveram comigo ao longo desses anos de luta.

Hua (apelido – não autorizou divulgação do seu nome)

Compartilhe nas Redes